Energia solar cada vez mais competitiva

Esse tipo de energia atingiu a marca de 2.056 megawatts (MW) de potência instalada operacional, o equivalente a 1,2% da matriz elétrica do País

A era da energia solar!

Embora pudesse ter avançado mais, não fosse o cancelamento de leilões em 2016, a energia solar fotovoltaica tem crescido no Brasil, tornando-se hoje um dos setores mais atraentes para investimentos. Como informa a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), esse tipo de energia atingiu há pouco a marca de 2.056 megawatts (MW) de potência instalada operacional, o equivalente a 1,2% da matriz elétrica do País, superando a energia nuclear (1.990 MW), suprida pelas usinas de Angra I e Angra II.

O País possui atualmente 73 usinas solares fotovoltaicas de grande porte, que carrearam investimentos de mais de R$ 10 bilhões, hoje em operação em nove Estados das Regiões Nordeste, Sudeste e Norte do País. Os investimentos podem crescer muito mais com o manifesto interesse de empresas nacionais e internacionais em participar dos seis leilões de energia nova a serem realizados entre 2019 e 2021, segundo foi divulgado pelo Ministério de Minas e Energia.

Independentemente desses certames, pequenas empresas e particulares se movimentam para investir nesta área com vistas a poupar gastos com energia. Uma startup japonesa, em parceria com uma empresa nacional, por exemplo, anunciou, no final do mês passado, a construção de uma pequena unidade solar, com capacidade de 1,1 MW, em Brasília. Iniciativas como esta já são bastante comuns também no agronegócio.

Na realidade, avanços tecnológicos têm favorecido a competitividade de usinas solares fotovoltaicas de grande porte, permitindo fortes reduções de preços, e não só em relação a combustíveis fósseis. As usinas solares, afirma a Absolar, estão em condições de ofertar energia elétrica a preços médios inferiores aos praticados por outras fontes renováveis, como biomassa e pequenas centrais hidrelétricas (PCHs).

As maiores queixas dos empreendedores estão ligadas às altas tarifas alfandegárias para importação de matéria-prima necessária para produção de módulos fotovoltaicos, o que onera demasiado os custos de construção de usinas. Segundo empresários, isso acaba prejudicando a indústria nacional, já habilitada a fabricar todos os equipamentos utilizados.

Espera-se que, com a abertura comercial, que consta do programa econômico do atual governo, distorções como esta sejam eliminadas.

Aneel abre discussão sobre subsídios à energia solar!

Proposta estende o incentivo até que placas solares atinjam o marco de 3,365 GW para sistemas locais e de 1,25 GW para sistemas remotos

Brasília – A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) propôs a manutenção dos subsídios para consumidores que instalam painéis solares até que a fonte atinja um determinado marco no setor elétrico. A discussão sobre o tema, que ficará em audiência pública entre os dias 24 de janeiro e 19 de abril, gerou polêmica dentro da Aneel e deve movimentar o setor elétrico.

A regra atual, criada em 2012 para incentivar a geração distribuída, confere redução de 80% a 90% nas contas de luz desses consumidores. Para isso, basta ter espaço e dinheiro – um sistema residencial custa de R$ 15 mil a R$ 25 mil. Parte dessa economia é repassada para as tarifas de energia dos demais usuários que não fazem esse investimento.

A proposta para o futuro, antecipada pelo Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), estende o subsídio para consolidação da tecnologia até que as placas solares atinjam 3,365 GW para sistemas locais e de 1,25 GW para sistemas remotos – com distribuição desse volume proporcionalmente ao mercado de cada distribuidora no País.

Para aqueles que já realizaram os investimentos, as regras atuais permaneceriam por 25 anos, e para os que fizerem a partir da vigência da nova regra e até o gatilho, o subsídio seria mantido por 10 anos.

Fonte: https://exame.abril.com.br/economia/aneel-abre-discussao-sobre-subsidios-a-energia-solar/

Inteligência artificial mapeia quase todos os painéis solares dos EUA

Programa desenvolvido em Stanford pode ajudar empresas e governos

São Paulo – Em constante expansão, o uso de painéis solares vai de áreas extensas a pequenos telhados de residências e é uma das principais fontes de energia renovável disponíveis atualmente. No entanto, saber quantos são e onde estão instalados em determinada região era, até agora, uma tarefa complexa.

Para solucionar o problema, pesquisadores da Universidade de Stanford, na Califórnia, recorreram ao uso da inteligência artificial e desenvolveram um sistema capaz de mapear todos os painéis solares visíveis nos Estados Unidos. Chamado de DeepSolar, o sistema conseguiu detectar os 1,47 milhão de painéis espalhados pelo país. O estudo foi publicado no periódico Joule.

Fonte: https://exame.abril.com.br/tecnologia/inteligencia-artificial-mapeia-quase-todos-os-paineis-solares-dos-eua/

Petrobras e francesa Total criarão empresa de energia renovável no Brasil

Um acordo foi assinado entre as empresas para gerar uma “capacidade de produção de energia de fontes renováveis que possa chegar a 500 MW” em 5 anos

A gigante petroleira francesa Total anunciou nesta sexta-feira, 21, a criação de uma joint-venture entre a Total Eren e a Petrobras, até julho de 2019, para desenvolver conjuntamente projetos solares e eólicos no Brasil.

Um acordo-marco foi assinado entre a Total e a Petrobras para criar essa companhia, cujo objetivo é gerar uma “capacidade de produção de eletricidade de fontes renováveis que possa chegar a 500 MW” nos próximos cinco anos, informou a Total em um comunicado.

A sociedade Total Eren, antigamente chamada de Eren Renewable Energy, tem 23% de seu capital controlado pela Total desde setembro de 2017 e se especializa no desenvolvimento de projetos de energia renovável.

Este anúncio concretiza um protocolo de acordo assinado em julho passado entre a Total, a Total Eren e a Petrobras para executar projetos comuns em energia solar e eólica em Brasil.